Como será no futuro as músicas que falam das nossas cidades?

Cidade de São Paulo à noite.
Cidade maravilhosa, Cheia de encantos mil! Cidade maravilhosa, coração do meu Brasil!... Jardim florido de amor e saudade, terra que a todos seduz, que Deus te cubra de felicidade, ninho de sonho e de luz... O Rio de Janeiro continua lindo o Rio de Janeiro continua sendo o Rio de Janeiro fevereiro e março... Olha que coisa mais linda mais cheia de graça...
A cidade que se tornou motivo das canções dos cantores populares do Brasil está ouvindo um som pertubador. É o som das balas, do fogo, da tragédia gerada pelo flagelo do narcotrafico. É o som do caos, do medo, da incerteza e insegurança. Os sons da bossa nova que alegravam a boemia de outrora agora foi suprimido pelas orações do povo pedindo socorro a Deus. Moro(amos) num país tropical abençoado por Deus e bonito por natureza... que beleza! Todavia, beleza não se põe na mesa. E não podemos viver, nós os das outras cidades, como se o que acontece no Rio de Janeiro não fosse com a gente. Por isso não podemos viver com um velho calção de banho, um dia pra vadiar um mar que não tem tamanho e um arco-íris no ar... e numa esteira de vime beber uma água de côco...  ao sol que arde em Itapoã, ouvindo o mar de Itapoã, falar de amor em Itapoã... Antes cada um deve meditar: Tô contrito, concentrado, tô pensando, pensando em quê? No Rio de Janeiro, no Rio de Janeiro, de janeiro, de janeiro, sou carioca, sou do Rio de Janeiro... e o nosso Rio não é só Março e Fevereiro. Solteiro no Rio de Janeiro, parado em qualquer praia, sou solto em qualquer lugar. Todavia se gritarem pega ladrão não fica um, meu irmão! Se gritar pega ladrão não fica um!
É como diz um certo alguém, a coisa no Rio tá muito feia, e nóis tem é que orá muito! É verdade temos que orar e, orar muito, mesmo! E nós aqui, do outro estado, não podemos cantar como antigamente cantávamos: É sempre lindo andar na cidade de São Paulo, o clima engana, a vida é grana em São Paulo, a japonesa loura, a nordestina moura de São Paulo, gatinhas punks, um jeito yankee de São Paulo, na grande cidade me realizar... A nossa cidade aqui também tá violenta, não dá mais para ir ao bar comer frango com polenta, velhos tempos, velhos dias... lembra desta? E na verdade não é só Rio de Janeiro que está na situação que temos acompanhado pelos jornais do mundo inteiro, pois, aconteceu no Rio aconteceu no mundo. É triste saber que morremos de amores por nossas cidades, nossas praças, nossos jardins. É interessante quando retornamos ao nosso bairro da infância  e podemos ver a mesma praça, o mesmo banco, as mesmas flores, o mesmo jardim. Tudo é igual mas estou triste, porque não tenho você perto de mim. Beijar aquela árvore tão linda, onde eu com meu canivete, um coração eu desenhei. Escrevi no coração o meu nome junto ao seu. E meu grande amor então jurei. O guarda ainda é o mesmo que um dia me pegou roubando uma rosa amarela pra você. Ainda tem balanço, tem gangorra, meu amor, crianças que não param de correr... Hoje quem não para de correr somos nós, e como a gente corre, corre da policia, corre do ladrão, corre do leão... Oremos por nosso país como um todo, principalmente pelo Rio de Janeiro, esta cidade ainda continua linda e seu povo honesto também. Oremos pelos irmãos que estão lá. Pelos milhares que ainda virão a Cristo.  É Infelizmente gostaria de escrever mais... Mas, não posso ficar nem mais minuto com vocês, sinto muito amor mas, não pode ser moro em...

Esta postagem foi elaborada com vários trechos de musicas. Abaixo veja o vídeo da música daquela que já não é mais a terra da garoa. Tudo muda mesmo!


 Rogério Loureiro

Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails