Administrar igrejas. Tarefa difícil.

A boa administração eclesiástica além de gerar recursos também gera
vidas salvas para o reino de Deus atravé de uma palavra de fé que leve
as pessoas ao arrependimento.
Aonde houver um ajuntamento humano é necessário um minimo de ordem. E para que haja ordem é necessário que haja também quem organize as coisas. Em uma empresa, por exemplo, existe a figura do gerente, do diretor, encarregados de seção e assim por diante. Numa escola temos os diretores, coordenadores, secretários, auxiliares e professores. Não importa, seja aonde for é necessário a presença de pessoas capazes de solucionar problemas, distribuir tarefas, na intenção de estabelecer e manter a ordem e o controle de uma organização. No mundo secularizado as pessoas assumem posições conforme as suas capacidades. O técnico em informática trabalhará em áreas em que o uso do computador é fundamental. Do mesmo modo o administrador que se forma e se especializa em finanças trabalhará com analises de contratos entre empresas, projeções financeiras, análise económica e coisas afins. Também existem matemáticos que criam estimativas, médicos que pesquisam, advogados que lecionam. De algum modo as pessoas estão nos postos de trabalho aos quais têm capacidade para desenvolver. As empresas de um modo geral estão preocupadas em saber se a pessoas que pretendem um determinado cargo tem os conhecimentos, as habilidades e as atitudes correspondentes para o bom desempenho das tarefas inerentes ao oficio. Muito mais ainda uma empresa tem o objetivo de dar lucro e isso não será possível se em seu quadro de funcionários tiver gente incompetente. Quando uma empresa dá lucro ela está cumprindo a sua obrigação social. Seus funcionários recebem o que é justo, os impostos são pagos, os investimentos acontecem e cada vez mais a empresa se fortalece dentro de um padrão normal e ético.
Mas, e quando o assunto é igreja? Será que não devemos tomar os mesmos cuidados na administração dos recursos, sejam eles humanos ou materiais, que o Senhor colocou em nossas mãos? Não devemos olhar para a igreja como olhamos para as empresas no que diz respeito a lucros e resultados?  (1 Pedro 4:11)  Se compararmos apenas a questão da administração no campo meramente terreno veremos que tanto a igreja quanto uma empresa podem ser semelhantes na forma de administrar. Ambas devem possuir objetivos claros, ainda que a sua natureza jurídica seja diferente. As empresas, como já foi escrito anteriormente, devem dar lucros. E quando elas cumprem o seu papel de forma honesta cumprem também sua responsabilidade social. A igreja embora possua CNPJ e não tendo o mesmo objetivo das empresas também devem dar lucros. Mas é lucro para o reino de Deus. O lucro para o reino de Deus são vidas salvas e não cofres abarrotados de dinheiro. (Provérbios 11:30)  A mentalidade para administrar uma igreja até pode partir de alguns princípios de Taylor e Faiol. Contudo, aquele que cuida da administração deve entender que empresas são administradas no plano terreno enquanto as igrejas, mesmo administradas na terra, são reguladas pelos padrões de conduta dados por Deus. São padrões de administração e normas de conduta estabelecidas por Deus reveladas pela sua Palavra. (Colossenses 3:1)
Quando falamos de igreja deve-se em primeiro lugar estabelecer a razão pela qual a congregação se reúne e o objetivo de sua existência.  (1 Coríntios 10:32 ) Existe um objetivo que é maior que qualquer outro e que deve primeiramente dominar as mentes e os corações de todos os envolvidos na obra: A expansão do reino de Deus. E é importante que a igreja como um todo se preocupe com a qualidade de seus obreiros. (1 Timóteo 3:1-5) Começando com a presidência da igreja, isto é, aquele, ou aqueles, a quem a congregação se reporta para dirimir as questões "mais picantes" do povo de Deus, sejam quais elas forem. Pode ser um pastor, um presbítero, etc. E sobre o propósito da igreja existe um detalhe que deve ser observado. Deus tem um propósito para a sua igreja e esta é uma verdade da qual ninguém pode escapar e neste propósito está incluído até os que não o servem, pois, não ficará sem destino os que não amam ao Senhor.
Se em uma empresa todas as pessoas estão envolvidas para atingirem os resultados esperados, em uma igreja todas as pessoas também devem fazer o mesmo, todas as pessoas devem estar envolvidas no objetivo final, que é ganhar almas. Quando há envolvimento mutuo na obra de Deus, quando todas as pessoas se sentem responsáveis em expandir o reino de Deus, todos entram no centro de Sua vontade. E o método para tal coisa surge em primeiro lugar com uma boa liderança. Seja ela colegiada ou não, a liderança, quando está firmada num objetivo real, livre de interesses, alcança o que quer. São os líderes que direcionam e conduzem o rebanho para as águas tranquilas. É o pastor da igreja que debaixo da liderança de Cristo conduz seu rebanho para verdes pastos.(Atos 20:28)
Ainda falando da administração quanto função da liderança, esta função quanto as atribuições pode variar, é basicamente a seguinte:
1) Compreender, ensinar e aplicar as verdades do Reino de Deus.
2) Administrar os recursos da igreja. E estes recursos são financeiros, humanos e materiais.

Ofertas em dolar
Compreender, ensinar e aplicar as verdades do reino de Deus é a base de uma congregação saudável. Quanto maior for a explanação e o envolvimento de todos com estes princípios menos problemas a igreja terá, isto não significa que a igreja não terá problemas, mas poderá diminuí-los. E o ensino destas coisas deve obviamente ser o cerne da igreja. Quando compreendemos, ensinamos e aplicamos as verdades do Reino de Deus a igreja passa a pertencer cada vez mais a este reino esta é uma verdade expressa em Mateus 6:33. É afinal, buscar o Reino de Deus primeiro. A administração dos recursos da igreja é um assunto tão fundamental quanto outro qualquer. Os recursos financeiros devem ser administrados com sabedoria e cada centavo deve ser revertido para a própria igreja no sentido de manter o templo em ordem. (2 Reis 22:4-7) O dinheiro também é fundamental para a manutenção de escolas bíblicas, trabalhos evangelísticos, pagamentos e remunerações que se façam necessárias. Os recursos humanos também devem ser administrados com muita prudência. Não se pode colocar pessoas em cargos só porque estão há muito tempo na igreja. É importante que cada pessoa envolvida na obra tenha o comprometimento necessário para  o bom desempenho de um bom trabalho. Em outras palavras quem serve na casa do Senhor deve ter as qualificações exigidas para cada oficio. E estas atribuições são de ordem técnica e espiritual. Ainda, com respeito as pessoas da igreja, é fácil notar que de um modo quase geral elas se esquecem que dentro da igreja existe uma regra basica e que nem de longe se compara coma as empresas: Muitos são os métodos e poucos os principios, mudam-se os métodos mas nunca os princípios. Os recursos materiais também devem ser bem administrados. Aparelhos de som, equipamentos de informática, microfones, veículos que porventura a igreja possa ter entre outros.
Enfim, tudo o que há dentro de uma congregação pertence a Deus, inclusive, as pessoas.(1 Corintios 6:20) É por esta razão que aquele que preside na igreja administre com sabedoria todos os recursos disponíveis dados por Deus. Administrar a igreja é uma tarefa muito difícil. Os cuidados que se devem tomar em tal empreitada transcendem a administração adotadas por empresas. O objetivo da igreja deve ser sempre, em primeiro lugar, lutar com todos os seus recursos para expandir o Reino de Deus.(Romanos 14:17). Que Deus nos dê sempre muita sabedoria para cuidar da sua igreja como bons administradores.

Nenhum comentário:

Related Posts with Thumbnails